" A minha estrela é doida! Coube-me nas sortes a Estrela-doida!" - José A. Negreiros -

terça-feira, dezembro 21, 2004

sem vocação para o drama. entrei de mergulho na tragédia.

numa trgédia não há esperança a adoçar finais. acaba mal. mais nada.

depois daquela tarde a lava que borbulhava em mim queria só arrefecer. petrificar.

"que viva então como quiser. conformado.
mas ele não é isso! não entendo!"

do desentender do não do amigo, veio de novo a fúria a obrigar-me a viver:
"não me deixo morrer sem ter um filho. mas não pode ser dele... tanto o queria!
não, não há deus nenhum ou isto não aconteceria desta forma.
não há deus!"

entre o decorar a peça e o curso aceitei namorados. um atrás de outro (diferentes eram os namoros de então).

mal se aproximava o compromisso fugia eu.

"não quero casar. se o casamento só trás a posse que me estragou a infância, não caso. saberei criar um filho se o tiver".

vivia duas simultâneas tragédias: antígona e o impossível amor.

a primeira estreou.

laivos de fama.

o bom: conheci romancistas dramaturgos poetas escultores pintores e gente simples que amava arte.
faziam-se excursões.

o mau: acabara-se a rapariga magra e desconhecida que podia estar livre e só em toda a parte. perdi o nome. deram-me outro diferente do da infância - antígona.
mais tarde a pide.

e o mestre?

estranho. elogiou-me. não gostou da encenação. teve pressa em partir. cansado. muito agora.

"vai receber os teus admiradores. mereces tê-los. depois eu escrevo a falar-te mais sobre o que vi. é tarde. parabéns! ainda tenho de voltar a setúbal. quis vir sozinho. ninguém sabe onde estou".

e escreveu.
a única carta dele que guardei. as outras leu-as a pide e queimei-as quando me libertaram. consporcadas.

emparedada antígona estaria a madalena livre?


foto em

tentei acreditar.

(não era frio, amor, o que te ouvi na voz. que tinhas tu de vago? de esbatido? de longe? onde estavas? onde ias? para onde caminhavas sem mim?).

1 Brilhos:

Blogger Maria Branco disse...

Sabes, leio-te e a minha alma chora... Chorará ela com a tua?
Encontro fragmentos da minha vida, misturados nas tuas palavras.
Um beijo imenso!

1:37 da tarde

 

Enviar um comentário

<< Home