" A minha estrela é doida! Coube-me nas sortes a Estrela-doida!" - José A. Negreiros -

terça-feira, novembro 23, 2004

nos ouvidos ecoava o nunca ouvido ainda

"porque é que tu chegaste tão tarde à minha vida? tão demasiado tarde!"

chegara sim. sabia-o tão bem quanto ele o sabia. respeitava-o mais por isso mesmo. mas tínhamo-nos subterraneamente procurado até que de raízes nos tornáramos árvore: uma só.

ou uma impressão física-espiritual no outro. tanto faz.

amávamos. isso é experiência para eleitos. tínhamos sido eleitos pela vida.

foto em

e morta ou viva a árvore, essa união sobreviveria em nós. no que ficasse. no que fosse primeiro.