" A minha estrela é doida! Coube-me nas sortes a Estrela-doida!" - José A. Negreiros -

sexta-feira, novembro 26, 2004

mas antes que ele de facto fracassasse, lutei eu. temi eu.

as raízes pareciam oscilar. era o tronco apenas. enganoso. soprado a furação.

mas a cada engano meu sofreste tu. meu amigo minha seiva minha fé.

tentei narrar o atrás sem emoções. mas só buscar na memória me cansou.

estou cansada. onde está o teu ombro para que apoie a cabeça?

aquele homem! inteligente. perigoso. como foi que escapei?

vou parar, que ainda é longa a
estrada que eu julguei mais curta ao encetar. eu volto. volto sempre.

(e levo-te comigo para onde vou. não ficarás aqui ao frio de uma história interrompida. nunca mais).


8 Brilhos:

Blogger Madalena Pestana disse...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

5:16 da tarde

 
Blogger Madalena Pestana disse...

Aos que têm feito o favor de ir lendo, eu volto breve.

:) Bjs

5:17 da tarde

 
Blogger ognid disse...

Onde fores, fica bem :) bjs

9:50 da tarde

 
Blogger Luna disse...

e eu que só te descobri agora...:(

1:16 da manhã

 
Blogger lena disse...

até breve :)*

12:36 da tarde

 
Blogger Maria Branco disse...

Até breve... muito breve...
Beijos

6:31 da tarde

 
Blogger antonio disse...

Viva!
Uma visitinha a esta casa só para agradecer apoio(s) recebido(s).

Um abração do
Zecatelhado

2:40 da tarde

 
Blogger Madalena Pestana disse...

Um Abraço, António. O tempo alivia tudo. Só o tempo.

Madalena

12:12 da tarde

 

Enviar um comentário

<< Home